Debate sobre organização não partidária + jantar benefit para organização da PAH em Portugal

Image

Este Sábado, dia 3 de Maio, pelas 15h30, Debate sobre organização não partidária + jantar benefit para organização da PAH em Portugal

 

Debate sobre organização não-partidária:

Muitas pessoas, cada vez mais, estão desiludidas com a representação partidária. A abstenção tem aumentado e é superior à percentagem de votantes. Será que precisamos de ser representadas? Porque não representar-mo-nos a nós próprias?

Desde o recente empréstimo do FMI a Portugal, surgiram os chamados ‘movimentos sociais’, supostamente apartidários, mas não o sendo, pois o dedo de partidos está frequentemente por trás destes movimentos, e impede que os mesmos se radicalizem, ficando limitados ao jogo do que é bem aceite pelos média, e dependentes das agendas políticas/partidárias.
A organização não-partidária, pode ser uma forma de asfixiar o capitalismo, pelo menos no modo como nos relacionamos entre nós, que nos quisermos organizar assim, e contribuir para atenuar a importância dominante do poder representativo, as divisões dentro das nações, e até as fronteiras entre nações, através do contacto entre grupos de afinidade de diferentes países.
Esta será talvez a mais natural e mais antiga forma de organização popular, que requer ser mais praticada para dar frutos. Na verdade já o é, de certo modo, em associações, colectividades, e grupos de interesse mais ou menos informais. Todos os dias muitas a praticam, por vezes até sem repararem – a partilha e a solidariedade são intrínsecas ao ser humana, embora o capitalismo nos impinja a toda a hora que temos que competir, passar por cima de quem está ao nosso lado, ver a outra como inimiga.
Profundos conhecimentos de teorias ou filosofias políticas e económicas também não são imprescindíveis, efectivamente sabemos quais são as necessidades básicas universais, não só ainda não atingidas, como a serem-nos grandemente roubadas – alimentação, habitação, saúde, educação, cultura.
Será esta uma visão simplista?
É verdade que esta organização pressupõe um certo voluntarismo por parte da população que nem sempre acontece, mas se não o incentivar-mos, que outras opções temos?
Anticapitalismo, antifascismo, e antiautoritarismo, são princípios basilares da forma de organização que se propõe.

 

Jantar benefit para organização da PAH em Portugal:

A Plataforma de Afetados pela Hipoteca ou PAH é uma associação e movimento social pelo direito à habitação digna, surgiu em Fevereiro de 2009 em Barcelona e está presente em toda a geografia espanhola. A plataforma surge no âmbito da crise imobiliária espanhola 2008-2013, que foi desencadeada pela bolha imobiliária, e dos protestos subsequentes em Espanha a partir de 2011-2012. Faz parte do Movimento 15-M, que surge mais tarde.
Sendo que, também em Portugal, o direito à habitação está seriamente em causa, cada vez mais gente é empurrada para a casa da família, a dividir casas com demasiada gente ou mesmo para a rua, empurrada pela especulação imobiliária e financeira e agora também pela nova Lei do Arrendamento, pensamos ser de importância especial começar a pensar em formas organizadas de resistir a esse flagelo e de activamente defender um direito básico que é o de ter uma casa digna e acessível.
Para ajudar nesse processo alguns membros da PAH vêem a Portugal para realizar uma série de sessões e falarão da sua experiência em Espanha, que já impediu mais de 1000 despejos. No entanto isso acarreta custos, nesse sentido organizamos um benefit para ajudar da forma que podemos.
Este é também um exemplo prático de organização não partidária. Que a conversa prossiga noite dentro, e que o conhecimento que dela tirarmos nos sirva para começar a agir sobre esta e outras questões essenciais à nossa vida em sociedade.

O debate terá como ponto de partida o texto que está na íntegra abaixo, pode parecer extenso mas é de fácil leitura. Apelamos à leitura do texto, o que ajudará na reflexão do debate, no entanto se não tiveres lido o texto não deixes de vir por isso.

Aparece!

 

Organização Não-Partidária

Já vimos que é possível

Muitas pessoas, cada vez mais, estão desiludidas com a representação partidária. A abstenção tem aumentado e é superior à percentagem de votantes. Será que precisamos de ser representadas? Porque não representarmo-nos a nós próprias?

Desde o recente empréstimo do FMI a Portugal, surgiram os chamados ‘movimentos sociais’, supostamente apartidários, mas não o sendo, pois o dedo de partidos está frequentemente por trás destes movimentos, e impede que os mesmos se radicalizem, ficando limitados ao jogo do que é bem aceite pelos média, e dependentes das agendas políticas/partidárias. Pelo mundo fora surgiram também recentemente os movimentos ‘Occupy’, e na Europa o movimento ‘Indignados’ (e as indignadas?), mas no final da década de noventa já tinha havido Seattle.

No entanto, estes movimentos, com as suas diferenças entre si, e para quem tal ainda não era claro antes, mostraram, talvez mais visivelmente na sua versão ‘de massas’, que é possível haver organização e acção independentes de partidos, apesar de a organização apartidária ser práctica corrente de vários movimentos desde há muito. É possível organizarmo-nos fora de partidos, de forma horizontal, sem hierarquias, as tarefas devem ser rotativas para não ficarem viciadas e não permitir a criação de ‘especialistas’, o que no sistema representativo partidário conduz aos abusos e corrupção a que estamos habituadas.

Representarmo-nos a nós próprias permite participação directa na tomada de decisões, e pôr em práctica a autogestão, que implica cooperação. É necessário colaborarmos umas com as outras, para chegarmos a fins comuns, e para isso temos que reconhecer a importância do apoio-mútuo, estar atentas a apoiar os/as companheiros/as de luta, para recebermos apoio também. Quando a via burocrática não resulta, o que acontece frequentemente, a luta ou protesto em causa requer a tomada de acção práctica, chamada ‘acção-directa’.

 

 

 

Grupos de afinidade

 

A organização referida resulta em grupos pequenos, porque num grupo numeroso a participação de todos os elementos dificilmente é acompanhada por todas. Pode ser utilizada na preparação de protestos e no funcionamento de movimentos sociais, mas também na gestão e discussão de questões prácticas do dia-a-dia, a nível de bairro, de rua, aldeia, vila, em qualquer contexto, de trabalho, lazer, ou outro. A organização em pequenos grupos facilita a comunicação, dentro dos mesmos, e com outros grupos. Há que rejeitar a organização ‘de massas’ – para lhes ‘darmos o arroz’. Não se trata de rejeitar protestos com participação numerosa, mas não os ter como objectivo principal, pois um trabalho regular daqueles grupos, articulados entre si, pode conduzir a resultados mais interessantes do que apenas manifestações de multidões. Mais importante que manifestações é a nossa organização no dia-a-dia, são necessárias redes de comunicação coesas, abertas ao público, ou fechadas, ou sob anonimato, que permitam troca de informação atempada, acerca do que aconteceu ou vai acontecer.

Claro, as diferenças partidárias, ideológicas, os sectarsimos, as intrigas, as cúpulas, frequentemente não permitem essa articulação, quanto a isso cada um/a tem que encontrar as suas afinidades, o que pode não ser fácil com a grande apetência que existe para mexericos.

No período a seguir ao 25 de Abril as comissões de moradores puseram em práctica estes princípios de organização comunitária, depois entrou-se no individualismo em que estamos agora, o condomínio entregue a empresas privadas (o condomínio é aliás, quando gerido pelos próprios inquilinos, um exemplo práctico de organização horizontal e rotativa), e no geral muito pouca participação na decisão dos assuntos comuns do local onde se vive. No entanto, assembleias populares têm ressurgido, por exemplo no Porto, em Lisboa, Évora e Coimbra. Ainda funcionam as sociedades/associações culturais e recreativas de bairro ou localidade criadas no período do 25 de Abril, onde se podem realizar discussões acerca de problemas locais, mas são sobretudo locais de convívio e actividades culturais (ensino de música, teatro, línguas, desporto). Existem hoje muitas associações, com um papel social e interventivo, abordando diversos assuntos, sendo que algumas poderão ter uma organização horizontal na práctica, apesar dos estatutos associativos exigirem organização vertical, e apesar de algumas estarem ligadas às autarquias locais, as quais são representantes de partidos e respectivos programas políticos.

Tais espaços, ou outros que existam, que se criem, ocupados ou alugados, podem ser recuperados e reutilizados, para debater questões urgentes que afectam a vida das habitantes. Locais assim já existem – serão poucos ou a participação é que é diminuta? O difícil pode ser fazer um maior número de pessoas participar na discussão de questões que as afectam directamente, retirá-las do individualismo apático tão característico dos dias de hoje – mas nos tempos que hoje vivemos, a cada dia que passa a participação é mais premente – participar significa não deixar que nos roubem o pouco que nos resta. Não podemos ficar à espera da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia.

 

 

Não haver uma ideologia dominante

 

Com os princípios de organização referidos, ideias e ideologias diferentes continuarão a coexistir, e é desejável que continuem, pois não se pretende uma ideologia dominante. Tal frequentemente conduz a regimes totalitários, que parece ser para onde agora caminhamos em Portugal com as várias medidas económicas, políticas e (a)sociais levadas a cabo pelo actual governo, o qual tem mandado executar acções repressivas a vários níveis, como resposta aos protestos que se multiplicam, com o intuito de incutir medo em quem se manifesta contra as suas medidas opressivas, verificando-se uma escalada da violência policial nas ruas, esquadras e prisões.

Anticapitalismo, antifascismo, e antiautoritarismo, são princípios basilares da forma de organização que aqui se aborda.

Neste tipo de organização, continuam a existir algumas com maior aptidão para se exprimir e apetência para liderança, outras menos interventivas, isso é sempre assim, mas é essencial todas terem palavra, e sermos capazes de ir além das aparências, pois há sempre quem tente manipular, à procura de benefício próprio. Líderes não são imprescindíveis, podemos organizar-nos sem ter alguém a comandar. É essencial manter independência em relação a partidos políticos, os quais obviamente não vão desaparecer tão cedo, nem todas as pessoas que deles fazem parte deixarão de fazer, com as quais podemos concordar ou não, e colaborar ou não.

Este tipo de organização pode também ajudar a diminuir atitudes e comportamentos autoritários, frequentes mesmo entre as que se consideram antiautoritárias – há sempre quem goste de mandar – o autoritarismo provoca repulsa, até de ideias que poderiam ser bastante frutuosas quando apresentadas de outra forma – ninguém é dona da solução suprema.

É uma forma de organização que, poderá argumentar-se, seja mais frágil, mais facilmente manipulável e infiltrada por quem a quiser desacreditar, por um lado, por outro lado numa organização que funcione em grupos pequenos, é mais fácil abordar e travar tais tentativas de manipulação. Valoriza-se a espontaneidade em detrimento de burocracia. A organização apartidária não é uma fórmula perfeita e instantânea que resolve tudo, é uma via de organização popular de base que pode permitir uma participação, discussão, e responsabilização, directas, numa altura em que a corrupção e a injustiça social atingem níveis intoleráveis e em rápido processo de piorar ainda mais. Esta pode ser uma forma de asfixiar o capitalismo, pelo menos no modo como nos relacionamos entre nós, que nos quisermos organizar assim, e contribuir para atenuar a importância dominante do poder representativo, as divisões dentro das nações, e até as fronteiras entre nações, através do contacto entre grupos de afinidade de diferentes países.

 

 

A mais antiga e natural organização

 

Esta será talvez a mais natural e mais antiga forma de organização popular, que requer ser mais praticada para dar frutos. Na verdade já o é, de certo modo, em associações, colectividades, e grupos de interesse mais ou menos informais. Todos os dias muitas a praticam, por vezes até sem repararmos – a partilha e a solidariedade são intrínsecas ao ser humana, embora o capitalismo nos impinja a toda a hora que temos que competir, passar por cima de quem está ao nosso lado, ver a outra como inimiga. Na realidade, por vezes somos obrigadas a sê-la em parte, mas muitas outras vezes podemos rejeitá-la, questionar, recordar que para quem tenha como prioridade a criação de uma sociedade justa, equilíbrio e harmonia são os objectivos, não o são o prestígio, a casta social, a fama, o materialismo, a fortuna, o consumismo. Profundos conhecimentos de teorias ou filosofias políticas e económicas também não são imprescindíveis, efectivamente sabemos quais são as necessidades básicas universais, não só ainda não atingidas, como a serem-nos grandemente roubadas – alimentação, habitação, saúde, educação, cultura.

 

Será esta uma visão simplista? Grande parte da complicação advém da sede de poder de muitas que entram na política para enriquecer, da ganância, desde sempre associadas à política, esta sempre ligada ao poder, e ao desejo de mandar. Imagine-se o que se poupava em altos dignitários, deputados, assessores, e parasitas afins, com todas as suas mordomias, num sistema representativo onde muitas vezes existem salários acima da média, corrupção, reformas antecipadas, estilos de vida de luxo e despesismo descarado. Política deve ser contribuir para o bem comum, não o privilégio de poder acumular benefícios pessoais.

Relativamente a sindicatos, há dois principais, um deles é tão manso que nem se dá por ele, o outro é controlado pelo partido que mais votos tem à esquerda, não quer que os protestos saiam do seu controlo, e quando saem colabora com o poder para os desacreditar e derrubar. Recentemente Manuel Martins, primeiro bispo de Setúbal, em entrevista referiu que os sindicatos não correspondem às necessidades e reivindicações da população.

 

Neste momento, os líderes do principal partido da falsa dicotomia que agora não está no poder, apelam a que voltemos, mais uma vez, para além da náusea, a acreditar nas suas mentiras, e aguardam voltar ao poder.

Quanto ao voto, que mandata os partidos no poder, desde sempre as imigrantes deveriam ter direito a ele, inclusive as oriundas de países exteriores à União Europeia, mas mais importante que o voto é a organização das imigrantes, a sua luta pelos seus próprios direitos, a sua capacidade reivindicativa, e a solidariedade da restante população para com elas. Senão, as imigrantes estarão sempre dependentes dos programas dos partidos lhes darem mais ou menos atenção, isto sobretudo numa altura em que a extrema-direita tem vindo a crescer na Europa.

Imigrantes ou não, o essencial dos direitos exige-se e conquista-se além do voto, na organização das lutas no dia-a-dia.

Os protestos contra membros do governo, por estudantes e não só, que culminaram na saída do ministro marrão, já podiam e deviam ter acontecido desde há muito, sem ser necessário um partido por trás para tal acontecer. Os protestos têm que se emancipar dos partidos, senão deixamos que sempre decidam por nós.

Mesmo com a saída de ministros, os governos mantêm-se no poder “legalmente”, até ao fim do mandato, e legalmente fazem alterações às leis, algumas irreversíveis, que destroem a vida de milhões de pessoas. Veja-se a actual situação da Hungria.

 

É verdade que aqui pressupomos um certo voluntarismo por parte da população que nem sempre acontece, mas se não o incentivarmos, que outras opções temos?

 

O futuro, desde já no presente, é a organização não-partidária, exigente e autónoma.

     Copia _ Distribui _ Partilha

 

Anúncios

Diz coisas!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s